Pular para o conteúdo principal

Jornal "Hezbollal"

Não tem jeito. Está ficando cada dia mais difícil ver ética nas informações divulgadas pela rede Globo. “Jornalismo imparcial?! Isso não te pertence mais!” A cobertura da guerra entre Israel e os terroristas libaneses é um ótimo exemplo disso. Mas o que custa ser imparcial? Já sabemos que nessa emissora o que vale é o show e a audiência. O grande malvado da guerra é Israel porque é o que todos querem ouvir. Além disso o Brasil tem a maior comunidade libanesa fora do Líbano. É por isso que quem faz os massacres contra civis é apenas Israel. O culpado pelo conflito é apenas Israel e quem não quer parar a guerra é Israel. O grupo Hezbollah não. Ele não faz nada... Ele apenas lança mísseis contra Israel que, POR ACASO, matam e ferem civis israelenses. Mas nada é dito contra ele. Esse grupo também usa os civis libaneses como escudos humanos, apenas para Israel matá-los e ganhar fama de vilão pela imprensa mundial. Só um ignorante não enxerga que o grande culpado de tudo são os terroristas libaneses. Afinal, eles são TERRORISTAS! Mas, mesmo assim, a Globo insiste em atacar Israel em suas matérias e reportagens.

Alguém pode dizer: “Não, a Globo só divulga as informações que recebe das agências de notícias internacionais”. Serão ingênuos os jornalistas da Globo?

Sabemos que essa estratégia de usar escudos humanos sempre encontra crédito nos veículos de comunicação ingênuos. Estratégia que é, ainda por cima, antiga. Pobres jornalistas da Globo. Para eles talvez seja preferível que um Estado observe seu povo sendo atacado sem tomar qualquer providência. “Deixe que eles atirem em nós e que matem nossos cidadãos. Não vamos fazer nada pois eles estão numa casa com 15 civis...” Que civis são esses que abrigam terroristas em guerra?? Mas a “ingênua” rede Globo não enxerga um palmo à frente da injustiça e dos interesses financeiros que a cobrem por completa. Mas não podemos esperar muita coisa dessa empresa com um passado anti-ético e pouco nobre. Quem assistiu o documentário “Além do Cidadão Kane” sabe do que estou falando.

Além disso, por que será que a Globo não divulga aquela carta do grupo internacional de libaneses cristãos encorajando Israel a continuar atacando o Hezbollah? Essa carta está em vários locais na Internet. Através do telejornalismo brasileiro pelo menos eu não fiquei sabendo nada a respeito. Quem quiser ver essa carta reveladora, eis o endereço:
http://www.deolhonamidia.org.br/Publicacoes/mostraPublicacao.asp?tID=297

Infelizmente essa empresa continuará exercendo uma influência muito grande no Brasil e suas inverdades serão engolidas por milhões de ignorantes por um bom tempo ainda. Vamos rezar para essa palhaçada acabar logo. Ou melhor, vamos agir para esclarecer às pessoas sobre isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…