Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2010

Artigos científicos publicados em 2010

Fim de ano chegando. Hora de passar o relatório das minhas pesquisas para vocês. Portanto, eis aí o link dos dois artigos científicos que publiquei em 2010:

O PROLONGAMENTO DA JUVENTUDE COMO CONSEQUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS
THE EXTENSION OF YOUTH AS CONSEQUENCE OF EDUCATIONAL STRATEGIES ADOPTED BY BRAZILIAN FAMILIES

PUNIÇÕES SOCIAIS: UMA ABORDAGEM ECONÔMICA DAS SANÇÕES SIMBÓLICAS COMO ORIENTADORAS DAS ESCOLHAS SOCIAIS
SOCIAL PENALTY: AN ECONOMIC ANALYSIS OF SYMBOLIC PUNITION AS A GUIDE OF SOCIAL CHOICE

Em relação ao resto da atividade acadêmica, aguardo a participação em duas bancas de monografia esta semana.

Ducha de água fria no WikiLeaks

Recebi hoje um e-mail apontando para um artigo do Daniel Pipes, um especialista no Oriente Médio, o qual falou que, enquanto o WikiLeaks divulgou e divulga informações e conversas pequenas nos bastidores das relações internacionais, essas mesmas informações têm se mostrado de pouca relevância frente aos discursos dos líderes árabes, já bem divulgados na imprensa. Em suma, o WikiLeaks não ajuda a entender bem o que se passa no jogo do Oriente Médio. Veja aqui.


Do pensamento complexo e da ciência

Para se estudar um método científico é preciso, antes, analisar o local onde esse método é aplicado: nossas mentes. Não falo aqui de psicologia. O que quero saber é por que os homens pensam como pensam, ao ponto de querer descobrir como funciona o mundo ao seu redor. É claro que os motivos pelos quais os homens ou qualquer outro ser vivo adquiriram suas características atuais são claramente darwinianos. Se o cérebro humano faz comparações, análises, combinações, é porque isso o beneficiou biologicamente em relação à espécie antecessora, nossos ancestrais mais imediatos na escala evolutiva.

O pensamento humano é limitado. Talvez até possamos ser criativos hoje, mas essa criatividade é, inconvenientemente, reduzida a um conjunto visível de operações. É algo tão decepcionante que até mesmo enquanto falamos sobre pensamento humano, como faço agora, estou preso à essas limitações das quais falo, tentando livrar-me delas. Portanto, a princípio, estou errado. Sim, estamos todos errados. De ci…

É proibido castigar os filhos

Há um projeto de lei que, se for aprovado, vai colocar os pais numa situação difícil, caso eles decidam punir seus filhos com palmadas. Cada vez mais o Estado vai tentando se meter, diretamente, na vida privada das famílias, cujas relações cada vez mais vão se judicializando, demonstrando que a confiança entre as pessoas, inclusive entre membros da mesma família cada vez mais vai desaparecendo. E o Estado, o que faz? Simplesmente vai na onda do que está acontecendo e, dessa forma, legitimiza a desconfiança entre pais e filhos.

Na mídia brasileira, saiu uma reportagem ontem à noite que defendia o tal projeto de lei, sem refletir sobre o papel da confiança nas famílias e na sociedade em geral; e sem pensar em como essa confiança pode ser recuperada, o que representaria uma economia grande com a aparelhagem do Estado em relação aos custos para a abertura de um processo judicial (incluindo-se aí pagamentos de funcionários públicos, aborrecimentos entre pais e filhos, etc).

Abaixo, um link p…

E a palestra de Emir Sader?

Hoje o professor Emir Sader proferiu uma palestra aqui na UFRN sobre o tema “Brasil: entre o passado e o presente”. Eu fui pensando que iria ver algo científico, mas, no fim, e infelizmente, foi apenas uma argumentação pró-Lula, pró-Dilma, pró-Esquerda, pró-Irã e coisas assim. Infelizmente é comum vermos a ciência sendo confundida com ideologias na área de humanas. Abaixo, disponibilizo, sem cortes nem arrumações, minhas anotações feitas durante a tal palestra:

Sader ridicularizou o papel da imprensa opositora em relação aos níveis de aprovação de Lula. Previsível, pois o cara é de esquerda. Propagandista de Lula. Sader critica a sociedade de consumo, mas usa um notebook Sony Vaio. Elogia a China, esquecendo o sofrimento da população e as liberdades individuais que ele tanto evoca para criticar as “intenções do capitalismo”. No fim, o que há é o interesse pessoal. Nesse discurso de luta contra o neoliberalismo americano esconde-se o interesse. Qual o interesse de Emir Sader em defender…

Israel ante o poder global

Reproduzo abaixo texto do Mídia Sem Máscara, de autoria de Olavo de Carvalho:

Israel ante o poder global

Olavo de Carvalho | 08 Junho 2010

Se Israel tivesse a seu lado o esquema globalista, teria também a mídia internacional, mas esta é de fato o seu principal e mais odiento inimigo. Longe de ser instrumento de um projeto mundial de poder, Israel é hoje quase uma nação pária, como Honduras, a Colômbia, Uganda ou o Estado americano do Arizona.

O episódio do navio turco em Israel resume-se em dois termos: "factóide" e "guerra assimétrica". Seria a marinha turca tão despreparada, tão ingênua, tão pueril ao ponto de ignorar que nenhum governo do mundo jamais deixaria um navio estrangeiro desembarcar toneladas de caixas numa zona em conflito sem examiná-las primeiro? Sobretudo depois que os mediadores israelenses foram recebidos a socos e pontapés, por que deveria o governo de Tel-Aviv aceitar a priori a hipótese de que o conteúdo das caixas fosse algo de tão inocente quant…

Israel, flotilhas e o mito do coitadinho

Quando a gente menos espera, mais uma vez a mídia internacional insiste em testar a nossa inteligência. Triste é quando alguns governos, como o brasileiro, caem nessa. Ou pior, sabendo da farsa, a reproduzem, formando um coro. Todos num mesmo tom, na canção da imbecilidade adquirida (como diríamos numa mistura forçada de Olavo de Carvalho e Falcão).

Esse é o caso da flotilha da "liberdade", divulgado amplamente como sendo um ato maligno israelense contra um grupo de humanitários inocentes e pacíficos. Não listarei aqui as teorias jornalísticas que colocam os jornalistas dentro de um grupo economicamente dependente da audiência de seus produtos, o que deveria ser algo óbvio, mas acaba sendo esquecido. Em outras palavras, o compromisso com a verdade não é tanto quanto o compromisso com as normas internas de produção de notícias, orientadas pelo lucro; e já se tornou bem claro o tom que a novela do Oriente Médio deve possuir para agradar o gosto da população mundial: o mito do c…

O problema dos alunos de filosofia

Muitas vezes a culpa de nossos problemas e conseqüentes fracassos é nossa. Mas não falo de uma culpa consciente. Os atos que ocasionam nossos problemas são realizados por nós, mas sem maldade, sem intenção de fazê-lo. Na verdade, nossas intenções, quando existem, são até boas. Seguem um raciocínio compreensível e teimoso. Mas isso não significa que a culpa inexista.

Quando estou no campus universitário e observo certos alunos, dentre eles os do curso de filosofia, e que se vestem de forma alternativa, não vejo apenas jovens tentando mostrar para os outros que são diferentes, que pensam diferente, que são “esclarecidos” e que são contra a classe dominante, ou contra a “sociedade alienante”. Eles não sabem, mas, além de estarem baseando seu próprio visual e conseqüente imagem social por meio de uma relação direta de oposição com o grupo que eles dizem desprezar, estão simplesmente aderindo uma das inúmeras identidades criadas pelo capitalismo que tanto odeiam. É verdade. Não lembro de te…

Sobre a educação e a ciência no Brasil

Hoje cito Olavo de Carvalho, que escreveu sobre a realidade brasileira no site Mídia Sem Máscara:

"Cultura", hoje, é rap, funk e camisinhas, "educação" é treinar as crianças para shows de drag queens ou -- caso faltem aos pimpolhos as requeridas aptidões gays -- para a invasão de fazendas, "pensamento" é xingar os EUA no Fórum Social Mundial, e "debate nacional" é a mídia competindo com a máquina estatal de propaganda para ver quem pinta a imagem mais linda do sr. presidente da República. Nesse ambiente, em que poderia consistir a "ciência" senão em imprimir cada vez mais irrelevâncias subsidiadas?
Leia na íntegra aqui: http://www.midiasemmascara.org/artigos/educacao/10752-caindo-sem-parar.html

O país dos lixeiros

Ronaldo. Central do Brasil. Copa do Mundo de 2014. Cidade de Deus. Ayrton Sena. “O melhor do Brasil é o brasileiro”. Recentemente minhas leituras na Internet me levaram por essa questão do patriotismo brasileiro forçado, que a mídia tenta evocar se apoiando, geralmente, em nossas ações medíocres no campo internacional ou, quando muito, em ações grandiosas, mas inúteis para nossos problemas reais. Talvez um pouco de patriotismo seja bom, na medida em que isso seja útil para o crescimento do indivíduo, mas na maioria das vezes não é, sendo apenas um fator importante na reprodução da anestesia social dos povos, que não enxergam sua própria miséria ou, na melhor das hipóteses, limitação. Por fim, não é individualmente útil. Mas sim coletivamente. Nada mais óbvio. Não é verdade? Afirmar que o patriotismo possui utilidade coletiva chega a ser tão óbvio que é impressionante como suas desvantagens escapam à razão individual. Continuaremos torcendo para o Brasil nas copas. Todos juntos. Conti…

Haiti: A festa da mídia e do público

Parece repetitivo afirmar que jornalistas gostam de publicar sangue. Na verdade quem gosta de sangue é o público. Mas o sangue internacional é mais chique. O discurso jornalístico – que é o mesmo do público – é o da preocupação com o sofrimento alheio, que oculta a sede pela tragédia alheia. É nessas horas que vemos que o mais “alto nível” do telejornalismo brasileiro não perde em nada para aqueles programas policiais vespertinos populares e sanguinolentos. A repórter da Globo, Lília Telles, praticamente desenterrando uma haitiana, é um exemplo claro dessa realidade. Tem que ter audiência. O povão brasileiro, composto de uma porrada de analfabetos, tem que assistir e gostar. Tem que ter emoção. Notícia é emoção. Jornal é satisfação. Audiência. E só. Não passa disso. Os pobres jornalistas: coitados. Sofrem a ilusão de que fazem algo importante. Algo intelectual. Ora. Tudo não passa de uma realidade pintada. Se não for, não vende. Não tem jornal. Não tem emprego. As informações menos in…

Consequências

ARTIGO

Toda a vida da Europa morreu em Auschwitz
Sebastian Villar Rodrigues

Estava andando em Barcelona e de repente descobri uma verdade
apavorante: a Europa morreu em Auschvitz. Nós matamos seis milhões de
judeus e os trocamos por 20 milhões de muçulmanos. Em Auschvitz
queimamos cultura, pensamento, criatividade, capacidade. Destruímos o
povo eleito, realmente eleito, pois eles nos deram pessoas únicas e
especiais, que mudaram o mundo. A influencia dessas pessoas é sentida
em todos os aspectos a vida: ciência, artes, comércio internacional e
mais de tudo – a consciência do mundo. Esses são os seres que
queimamos.
E sob o cinismo de compreensão, porque queríamos provar para nós
mesmos que nos curamos da doença do racismo, abrimos nossos portões
para 20 milhões de muçulmanos, que trouxeram com eles ignorância e
idiotice, fanatismo religioso e incompreensão, assaltos e pobreza
derivados da falta de vontade de trabalhar e de sustentar suas
famílias com honra. Eles transformaram nossas maravilhosas cida…