Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2008

Ônibus 174: a violência urbana e a saudade do óbvio

É preciso cautela para comentar um filme que ainda não vi, nem sequer está nos cinemas, ainda. Podemos, por enquanto, basear em informações prévias sobre o filme para tecer alguma opinião.
O filme sobre a tragédia do ônibus 174 nos traz uma abordagem preocupante, bem parecida com aquela de Cidade de Deus. O lado do bandido é o ponto. O bandido é o personagem principal. Problemas sociais, a pobreza, a violência urbana e a piedade são pontos evocados como justificação de uma vida criminosa. O bandido é visto como vítima; e a vítima é vista como o quê? No ponto de vista de filmes com esse tipo de abordagem,a vítima morta pelo bandido é apenas uma coadjuvante, tanto do filme como na própria vitimização. A vítima maior é o bandido. A mulher que tentava viver sem violência, numa vida também penosa, é uma vítima menor. Temos pena dela, mas isso é apenas uma conseqüência dos problemas sociais. Esquece-se a culpa do bandido, coitado, vítima primeira da sociedade. Nós somos os culpados. Veja que…

Motorista que beber pode ficar sem seguro de vida

O motorista que dirigir embriagado e se envolver em acidente pode perder o direito ao seguro de vida. Uma decisão da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça entendeu que a embriaguez pode ser um agravante que libera a seguradora de fazer o pagamento. A decisão foi tomada no processo de uma viúva que reivindicava o seguro.

Foi rejeitado o recurso de Maria Dilza Porto, viúva de motorista, que reivindicava o recebimento da indenização. O STJ referendou decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que já havia isentado a seguradora do pagamento.

A antiga jurisprudência previa pagamento do seguro.