Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

E a palestra de Emir Sader?

Hoje o professor Emir Sader proferiu uma palestra aqui na UFRN sobre o tema “Brasil: entre o passado e o presente”. Eu fui pensando que iria ver algo científico, mas, no fim, e infelizmente, foi apenas uma argumentação pró-Lula, pró-Dilma, pró-Esquerda, pró-Irã e coisas assim. Infelizmente é comum vermos a ciência sendo confundida com ideologias na área de humanas. Abaixo, disponibilizo, sem cortes nem arrumações, minhas anotações feitas durante a tal palestra:

Sader ridicularizou o papel da imprensa opositora em relação aos níveis de aprovação de Lula. Previsível, pois o cara é de esquerda. Propagandista de Lula. Sader critica a sociedade de consumo, mas usa um notebook Sony Vaio. Elogia a China, esquecendo o sofrimento da população e as liberdades individuais que ele tanto evoca para criticar as “intenções do capitalismo”. No fim, o que há é o interesse pessoal. Nesse discurso de luta contra o neoliberalismo americano esconde-se o interesse. Qual o interesse de Emir Sader em defender…

Israel ante o poder global

Reproduzo abaixo texto do Mídia Sem Máscara, de autoria de Olavo de Carvalho:

Israel ante o poder global

Olavo de Carvalho | 08 Junho 2010

Se Israel tivesse a seu lado o esquema globalista, teria também a mídia internacional, mas esta é de fato o seu principal e mais odiento inimigo. Longe de ser instrumento de um projeto mundial de poder, Israel é hoje quase uma nação pária, como Honduras, a Colômbia, Uganda ou o Estado americano do Arizona.

O episódio do navio turco em Israel resume-se em dois termos: "factóide" e "guerra assimétrica". Seria a marinha turca tão despreparada, tão ingênua, tão pueril ao ponto de ignorar que nenhum governo do mundo jamais deixaria um navio estrangeiro desembarcar toneladas de caixas numa zona em conflito sem examiná-las primeiro? Sobretudo depois que os mediadores israelenses foram recebidos a socos e pontapés, por que deveria o governo de Tel-Aviv aceitar a priori a hipótese de que o conteúdo das caixas fosse algo de tão inocente quant…

Israel, flotilhas e o mito do coitadinho

Quando a gente menos espera, mais uma vez a mídia internacional insiste em testar a nossa inteligência. Triste é quando alguns governos, como o brasileiro, caem nessa. Ou pior, sabendo da farsa, a reproduzem, formando um coro. Todos num mesmo tom, na canção da imbecilidade adquirida (como diríamos numa mistura forçada de Olavo de Carvalho e Falcão).

Esse é o caso da flotilha da "liberdade", divulgado amplamente como sendo um ato maligno israelense contra um grupo de humanitários inocentes e pacíficos. Não listarei aqui as teorias jornalísticas que colocam os jornalistas dentro de um grupo economicamente dependente da audiência de seus produtos, o que deveria ser algo óbvio, mas acaba sendo esquecido. Em outras palavras, o compromisso com a verdade não é tanto quanto o compromisso com as normas internas de produção de notícias, orientadas pelo lucro; e já se tornou bem claro o tom que a novela do Oriente Médio deve possuir para agradar o gosto da população mundial: o mito do c…