Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2015

Baixaria agora é moda.

Não é de hoje que percebo uma redução nos valores morais em nosso país, um aumento generalizado na pobreza de espírito e na valorização da baixaria instintiva de cada um de nós. Alguns podem dizer que isso talvez seja apenas uma impressão minha, e que o brasileiro sempre foi assim e que a coisa estaria mais visível apenas por causa da popularização da internet. Bom, discordo parcialmente.
A popularização da internet não é apenas um fenômeno que expõe de forma generalizada determinados comportamentos considerados imorais (consumo de drogas de todo tipo, desvalorização da mulher, práticas sexuais inusitadas, comentários agressivos desnecessários etc). Essa popularização possuiria também um papel crucial num processo de destruição de normas relacionadas à moral dos indivíduos em nossa sociedade, num efeito semelhante ao processo de informalização, no qual as pessoas passaram a agir de forma mais informal, como relata Steve Pinker1.
Enquanto o processo civilizador foi um fluxo de normas…

Paris: como o mundo ficou burro

Alguém lembra de ter visto o mundo inteiro dizendo "#PrayForIsrael", quando bombas explodiam crianças, homens e mulheres inocentes em Jerusalém? Alguém lembra de ter ouvido lamentos pelas dezenas e centenas de mísseis diários disparados pelo Hamas contra o sul de Israel? E os recentes ataques com facas? É mais provável que você tenha visto, na televisão, críticas do mundo inteiro contra Israel, geralmente se utilizando de uma imagem de um Estado judeu opressor que invariavelmente adota o "uso desproporcional da força" para promover o genocídio do povo palestino.

A mídia internacional - poluída pela inversão de valores da nova esquerda - estaria dando o tom do espírito do mundo, incluindo-se aí as reações das autoridades. E nessa onda ideológica, temos a virtude condicionada não pelos atos, mas sim pelo seu poder. É a crença esquerdista na virtude dos oprimidos, como havia sugerido Caio Blinder. "Ora, nessa história aí, o vilão só pode ser o mais poderoso dos …

Será que é racismo?

"Palestrante negro é barrado em portaria de hotel cinco estrelas que sedia seminário em São Paulo”.
Esse foi o título de uma matéria publicada no dia 28/08/2015 por diversos sites. O palestrante era Carl Hart, professor de psicologia e psiquiatria da Universidade de Columbia que veio ao Brasil participar de um seminário criminal. De acordo com a notícia, ao começar sua fala no evento, ele teria dito: "Olhem para o lado, vejam quantos negros estão aqui. Vocês deviam ter vergonha". Segundo a matéria, não havia nenhum negro na plateia. Até mesmo o organizador do evento, Sérgio Salomão Shecaira, teria dito: “É bom para mostrar como vivemos em um país racista”.

O problema é que a matéria era falsa.

Carl Hart estava no hotel e realmente iria participar de uma palestra, mas ele não foi barrado e o organizador do evento também não fez tal declaração. Isso, claro, nos leva a outras perguntas, como: A quem interessa a criação de uma mentira desse tipo? A quem interessa a imagem…

Fotos coloridas e conflito social

A modinha já passou. O casamento gay nos EUA já é uma realidade e as pessoas já se cansaram de discutir isso no Facebook. Mesmo assim, este texto é relevante, já que aborda um comportamento que, embora comum, pode tornar-se perigoso para uma sociedade.
Inicialmente, eu estava pensando em explicar a adesão maciça ao ativismo gay nas redes sociais, os tais “coloridos" do Facebook, por meio de um simples modismo no qual boa parte dos participantes teria entrado mais por conformismo ou para parecer uma pessoa esclarecida do que realmente para concordar com uma conquista dos gay rights. No entanto, seria uma explicação muito feijão com arroz dentro do comportamento humano, embora não deixe de ser uma explicação digna de atenção.
Afinal, o conformismo é um dos fatores explicativos mais comuns de todos os tipos de comportamentos sociais humanos. Estamos instintivamente predispostos a concordar com alguém e a participar de torcidas. Aqueles que se vangloriam por aderir à moda dos coloridos…