Pular para o conteúdo principal

Incoerências sobre Israel

O jornal Correio da Tarde, que tem circulação em Natal e Mossoró, foi o primeiro a publicar meu artigo em respota aos dois textos anti-semitas divulgados pela Gazeta do Oeste no último final de semana (ver post anterior).

O título do artigo é: Incoerências sobre Israel e pode ser lido diretamente através do link para o site do Correio da Tarde:
http://www.correiodatarde.com.br/artigos/5859

Comentários

  1. Ozifrankly4:48 PM

    Nessa historia não existe santos.

    Primeiramente gostaria de afirmar que sou totalmente contra toda a forma terrorismo.
    Justificar o massacre de centenas ou milhares de civis com o sequestro de dois SOLDADOS é equiparavel ao justificar o extermínio dos judeus pelo simples fato de serem judeus.
    O mundo ficou chocado em 1989 com o massacre da praça celestial em Pequim por causa do uso tanques contra estudantes, Israel usou tanques, carros blindado e helicopteros contra civis palestinos durante anos e o mundo foi complacente.
    Não sou anti-semita, e tenho bons amigos judeus, mas nos dias de hoje o lado bom ou o lado mau de uma historia é definido por quem esta no poder e por quem o contraria. Tanto os muçulmanos como os judeus são povos pacíficos os radicais de cada um dos grupo é que deveriam ser exterminados.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Ozzi. Acho que, na verdade, o objetivo é destruir o Hezbollah, que está escondido entre os civis inocentes... isso é complicado. Mas concordo com vc em relação ao extremismo que existe nos dois lados.

    ResponderExcluir
  3. Marcos Losekam, por exemplo, falou hoje no programa Mais Você, que, se Israel não tivesse tantos abrigos anti-mísseis, teriam morrido muito mais pessoas em Israel do que morreram no Líbano.

    Ele afirmou que o pessoal do Hezbollah atirava à esmo contra Israel, sem objetivo, enquanto os israelenses escolhiam seus alvos. Eu me lembro que eram uma média de 200 mísseis por dia, que eram lançados contra Israel.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo3:07 PM

    Parabéns para Israel que possui um dos exércitos mais bem equipado do mundo, pena que mísseis podem acerta uma mosca a quilómetros mas sua explosão atingi tudo ao redor. O Hezbollah atirava a esmo pois não possui a tecnologia de mísseis tecnológicos. Não tiro o direito de Israel se defender, mas a força que ele usou foi desproporcional. Israel por ter todas a condições de se defender deveria responder aos ataques de forma mais bem planejada e mais precisa. Se o motivo de Israel era resgatar os dois soldados sequestrados, onde eles estão depois do fragil cessar fogo? O que Israel realmente queria era invadir o Líbano e destruir o Hezbolah de qualquer forma e usou o sequestro dos soldados apenas como desculpa. Israel com essa guerra só conseguiu provar uma coisa aos seus inimigos, que não é mas o mesmo Israel da guerra dos seis dias, pois mesmo com toda a destruição que causou no Líbano nem os seus soldados conseguiu resgatar.

    Não existe lado certo, todos lados cometem crimes contra a humanidade. Todos os lados por acreditarem em algo que acham certo assassinam mulheres, crianças e idosos inocentes, cujo o único crime que cometeram foram foi nascer judeu ou mulçumano.

    ResponderExcluir
  5. Ozifrankly3:08 PM

    Parabéns para Israel que possui um dos exércitos mais bem equipado do mundo, pena que mísseis podem acerta uma mosca a quilómetros mas sua explosão atingi tudo ao redor. O Hezbollah atirava a esmo pois não possui a tecnologia de mísseis tecnológicos. Não tiro o direito de Israel se defender, mas a força que ele usou foi desproporcional. Israel por ter todas a condições de se defender deveria responder aos ataques de forma mais bem planejada e mais precisa. Se o motivo de Israel era resgatar os dois soldados sequestrados, onde eles estão depois do fragil cessar fogo? O que Israel realmente queria era invadir o Líbano e destruir o Hezbolah de qualquer forma e usou o sequestro dos soldados apenas como desculpa. Israel com essa guerra só conseguiu provar uma coisa aos seus inimigos, que não é mas o mesmo Israel da guerra dos seis dias, pois mesmo com toda a destruição que causou no Líbano nem os seus soldados conseguiu resgatar.

    Não existe lado certo, todos lados cometem crimes contra a humanidade. Todos os lados por acreditarem em algo que acham certo assassinam mulheres, crianças e idosos inocentes, cujo o único crime que cometeram foram foi nascer judeu ou mulçumano.

    ResponderExcluir
  6. Os soldados devem ter sido mortos há muito tempo. De qualquer forma, não foi Israel que inicou esse conflito. Quem não quer arrumar problemas, não provoca um. Em relação aos inocentes mortos no Líbano, acho que é inavitável matar civis numa guerra desse tipo. O Hezbollah se escondia no meio dos civis. O que Israel podia fazer para evitar isso? Antes de atacar uma área, Israel enviava panfletos avisando à população para sair do local. Eventualmente, os avisos eram simplesmente rasgados pelos civis.

    A guerra foi desproporcional, sim. Enquanto Israel precisava se preocupar com civis inocentes, já que provocaria a opinião da comunidade internacional, o Hezbollah não tinha qualquer preocupação desse tipo. E queria mesmo matar os civis israelenses. Era desproporcional mesmo.

    O que Israel deve fazer? Apenas ser atacado sempre?! Ser atacado pela mídia internacional? Ser injustiçado por pseudointelectuais de esquerda que usam sua aliança com os EUA para promover um antisemitismo disfarçado? Um país que se defende não deveria passar pelo tratamento que Israel passa. Mas isso é normal. Afinal, contra Israel se vive melhor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…