Pular para o conteúdo principal

As verdades ocultas do conflito *

*Este artigo também foi publicado no Jornal de Hoje e no Correio da tarde
Por Nestor Burlamaqui
A mídia nacional freqüentemente mostra de forma claramente parcial, apenas alguns aspectos da guerra entre Israel e o Hezbollah: quantos morreram e quem matou. Mostra também os movimentos das autoridades em relação a um cessar-fogo. Mas não passa disso. Os aspectos mais gerais e relevantes são ocultos e esquecidos, talvez por puro desinteresse, talvez pelo apoio a apenas um lado do conflito (geralmente o lado dos terroristas). Irei agora abordar um pouco essas verdades ocultas para que o leitor tome conhecimento do que realmente acontece por lá.

Em 1982, o Irã criou o Hezbollah e até hoje o patrocina com armas e dinheiro. Recentemente, seu presidente, Mahmoud Ahmadinejad, declarou que desejava a extinção de Israel: “Israel deve sumir do mapa”. Esses conflitos dão lucros ao próprio Irã, que é o segundo maior exportador de petróleo da OPEP. Essa guerra, que é provocada deliberadamente por esse mesmo governo, beneficia bastante o mercado petrolífero. Por exemplo, só com ameaças, em janeiro desse ano o barril de petróleo era vendido por US$ 53. Com a abertura da frente libanesa, o preço já havia chegado a US$ 76,60, como afirmou Marx Golgher no artigo Ciclo Infernal, publicado no último dia 17/07. Resumindo, o Irã usa sua forte influência no Hezbollah e em outros grupos terroristas para provocar conflitos e ganhar dinheiro.

O grupo Hezbollah, cria do Irã, surgiu sob o pretexto de resistir à ocupação israelense no Líbano em 1982. A invasão aconteceu com o objetivo expulsar os grupos armados da OLP (Organização para a Libertação da Palestina) para uma distância de 40 km da fronteira, impedindo ataques ao norte de Israel. Como conseqüência disso a OLP foi expulsa do Líbano. Porém, para revelar os verdadeiros objetivos do Hezbollah, vou reproduzir as palavras que Hussein Massawi, líder terrorista, disse, após o massacre das forças americanas e francesas 20 anos atrás, quando mais de 400 soldados desses países foram mortos num mesmo ataque suicida: “O Hezbollah não combate para obter nada. Não estamos lutando para que vocês nos ofereçam coisa alguma. Estamos lutando para eliminar vocês!”. Esse grupo terrorista também recebe apoio do Líbano, que é conivente com seu crescimento bélico dentro das próprias fronteiras libanesas. A mídia nacional freqüentemente esquece da responsabilidade que esse país possui sobre o sangue das vítimas civis dentro de seu próprio território.

Uma parcela da população libanesa apóia o Hezbollah por este manter escolas e hospitais. No entanto, esse povo é obviamente prejudicado pelas ações desse grupo. Isso é visto atualmente com a morte de vários civis no conflito. Nos últimos dias, uma carta da Fundação Libanesa pela Paz, um grupo internacional de Libaneses Cristãos agradeceu Israel pela ação contra o Hezbollah. Eis um trecho da carta: “Nós ansiamos que vocês os ataquem com força e destruam sua infra-estrutura de terror. Não é (apenas) Israel que se beneficia com esta situação, mas a maioria dos Libaneses silenciosos no Líbano que está farto do Hezbollah e não têm poder para fazer nada por conta do medo da retaliação do terror".

A própria ONU também é responsável por esse conflito. Após a invasão israelense de 1982 e sua retirada, a ONU instituiu a UNIFIL (United Nations Interim Force in Lebanon), para garantir a recuperação do Líbano e o desarmamento do Hezbollah. Porém, foi constatado que o grupo terrorista, antes dos ataques recentes, possuía um arsenal de 10.000 a 12.000 foguetes, alguns com alcance de 200Km, todos fabricados e exportados pelo Irã. Além disso, o General canadense reformado Lewis MacKensie, fez um alerta, dizendo que os terroristas do Hezbollah freqüentemente usavam os postos da UNIFIL como escudo para não serem atingidos e poderem atacar Israel impunemente. Não é de estranhar que observadores da ONU foram mortos recentemente num dos ataques israelenses.

Observando as reportagens e matérias sobre o conflito juntamente com esses fatos apresentados aqui, vimos que a mídia freqüentemente atribui a Israel a responsabilidade pela guerra e pelas mortes de inocentes civis, quando na verdade essa responsabilidade pertence claramente ao Irã, ao Hezbollah, e ao próprio Líbano. Tomara que cada vez mais pessoas tomem conhecimento desses fatos e as mensagens injustas feitas contra o Estado israelense enfim cessem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…