Pular para o conteúdo principal

Fora Bush ?

Por Camila Carrilho

Essa frase esteve coerente nesse período de sua passagem pela América Latina e pelo Brasil. Mas não é de hoje que ouço essa expressão, faz mais de ano que a vejo estampada em vários muros de minha cidade. O curioso é que essa é do interior do Rio Grande do Norte, onde o próprio Bush não imaginaria sua existência.

Meu objetivo não é minimizar uma opinião, não me importa de onde ela venha, mas sim em que está fundamentada, e depois de ver as passeatas e manifestos contra o "todo poderoso" do mundo não pude ficar de boca fechada. Será que ficamos tão americanizados e estamos achando que ele é o nosso presidente? Ou porque ele virou um ícone pop às avessas e sendo "internacional", mereceu toda aquela atenção nas ruas de São Paulo? Afinal, o que ele nos fez de tão mal?

Pelo que sei, nem Bush, nem os Estados Unidos chegaram a nos afetar, não fomos colonizados, nem explorados (diretamente) por eles, até então. Poderia ser julgada de ser egoísta em relação aos danos que eles causam aos outros países, mas só alerto para o fato de que enquanto apontamos nossas "pedras" para Bush, esquecemos de olhar nossa situação e a do nosso país.

Aqui a criminalidade cresce, ônibus são queimados com gente dentro, presenciamos o caso do menino João Hélio, um inimaginável ato de crueldade, que me fez acreditar que algo iria ser feito, mas tudo foi apagado pela contagiante alegria do carnaval e depois nada mudou. Continuei a ver notícias de casos como os de balas perdidas. Num a vítima era uma menininha, novamente uma criança morrera.

Enquanto nos revoltamos contra um estrangeiro, os culpados por todo caos que vivemos, não só pela violência como os altos impostos e quase nenhum benefício público, ficam andando de jatinho, viajando, fazendo churrasco com o nosso dinheiro por bem debaixo dos nossos "narizes". E nós não fazemos nada. Resultado: Eles ficam dançando em homenagem à impunidade. Então nós temos moral para reclamar do Bush? Aposto que se ele soubesse dessa, ele daria boas risadas.

Comentários

  1. Perfeito Camila. Concordo em todos os sentidos!

    ResponderExcluir
  2. Bom Camila, parabéns por ter seu texto colocado aqui! :)

    ResponderExcluir
  3. Era pra ser 'Boa, Camila'! mas tudo bem...

    ResponderExcluir
  4. Yáscara11:25 PM

    Camilaaa, adoreii!
    Concordo com você totalmente,
    eu estive até pensando nisso esses dias...
    Tudo bem que não é correto o que o Bush faz. "O diabo e sua sede de destruição louca no Oriente"
    Mas, poxa... existem tantas coisas horríveis aqui, do nosso lado, debaixo dos nossos narizes, como voce mesma disse...
    e ninguém nota? ¬¬ ninguem se preocupa? ninguem faz passeata?

    Taí...
    "O pior do Brasil é o brasileiro"

    Ti amoooo Mila #)~~

    ResponderExcluir
  5. Concordo! Perdemos tempo criticando a política estrangeira quando a nossa própria política nos afeta muito mais do que a "cruzada imperialista" de Bush... Aqui tambem tem zonas de guerras (Rio, SP) e não reclamamos nem pixamos muros pedindo justiça...

    Pedão.

    ResponderExcluir
  6. Átilla4:44 PM

    Camila... Realmente você está de parabéns pelo comentário!!
    Enquanto milhares de pessoas se mobilizam em torno do "Senhor das Guerras", outras milhares estão passando por necessidades básicas em nosso país!
    Está claro que no Brasil as pessoas se preocupam muito mais com coisas irrelevantes, como o Bush!

    Bjo Milinha.

    Átilla

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…