Pular para o conteúdo principal

Machismo é o verdadeiro problema da violência?

"Brasil tem 12 assassinatos de mulheres e 135 estupros por dia, mostra balanço”, diz matéria da Folha de S. Paulo [1] de 30/10/2017. O problema é sério, mas o jornalista esqueceu de colocar a quantidade de homens que morrem por dia: 156. Ou seja, segundo dados da mesma fonte [2] (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), morrem 13 vezes mais homens do que mulheres por homicídio no Brasil. 

Alguém pode falar que a maioria dos culpados pelas mortes das mulheres pertence ao sexo masculino. No entanto, fazer isso é demonizar o homem, generalizando como se todos eles fossem assassinos e como se todas as mulheres fossem vítimas, quando sabemos que isso é uma falácia. Além disso, em outros países, esses números seriam inimagináveis, como é o caso dos Estados Unidos. Percebemos, então, que o problema está no comportamento do brasileiro como um todo e não no sexo do indivíduo.

Notícias com esse enquadramento nos fazem esquecer duas coisas: a) a natureza do problema e, consequentemente, b) qual a causa do problema.

Primeiramente, o problema da violência é de todos e não só das mulheres. Enquanto o jornalismo tentar jogar mulher contra homem, negro contra branco e pobre contra rico, continuaremos andando para trás, fazendo campanhas para reduzir a violência masculina e chamando todos os brasileiros honestos de machistas violentos.

Enquanto isso, os verdadeiros culpados não estão nem aí. As quadrilhas de bandidos que fomentam o narcotráfico continuarão aumentando a horda de viciados em seus produtos e ampliando suas práticas criminosas (assaltos, homicídios e latrocínios) para garantir esse mercado. Os usuários invariavelmente acabam entrando no mundo do crime e cometem crimes, incluindo homicídios, para aplacar dívidas causadas pelo vício [3].

A cultura das periferias (favelas e presídios) carioca e paulista — de onde nasceram as quadrilhas mais influentes, já espalha-se pelo Brasil, sendo um indício do aumento de sua influência não apenas na venda de drogas ilícitas, mas também no comportamento das pessoas, as quais cada vez mais adotam valores (ou a falta deles) inerentes ao que chamo de ralé moral brasileira.

Os indivíduos da ralé moral brasileira observam as mulheres como meros objetos sexuais (como é bem visível nas letras de certas músicas do funk carioca e nas danças), têm a ostentação material como objetivo maior na vida e tendem a usar da violência física no lugar de recorrer aos mecanismos sociais — como o auto-controle e a cortesia — que a civilização ocidental criou para reduzir drasticamente a quantidade de homicídios no mundo, conforme relatado por Steven Pinker na obra "Os Anjos Bons da Nossa Natureza: Por que a violência diminuiu".

Em outras palavras, a influência crescente do narcotráfico aumenta não somente comportamentos considerados machistas — tanto entre homens como entre mulheres — como também o número de assassinatos, latrocínios, roubos e assaltos. Nesse sentido, tentar culpar todos os homens pela violência no Brasil ou é uma grande ignorância de nossa realidade ou apenas uma grande falta de caráter.


_______

[1] Veja a matéria no link: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/10/1931609-brasil-registrou-135-estupros-e-12-assassinatos-de-mulheres-por-dia-em-2016.shtml

[2] Veja o infográfico no link: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/10/infografico2017-vs8-FINAL-.pdf

[3] Segundo a socióloga Alba Zaluar, a linha que divide traficantes de usuários é bastante tênue e muitas vezes os usuários escalam sua participação em organizações criminosas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…