Pular para o conteúdo principal

A ditadura das minorias e os efeitos da espiral do silêncio na maioria conservadora

Por Nestor Burlamaqui

Apesar de parecer contraditória a hipótese de que, mesmo numa democracia, os valores defendidos pela maioria conservadora estão sendo progressivamente excluídos por uma minoria liberal, essa realidade pode ser facilmente explicada por um processo que envolve a ação de uma nova classe dominante de intelectuais, juntamente com os processos de produção e reprodução de comunicação de massa, além de um efeito social conhecido como espiral do silêncio.

Na sua obra A Rebelião das Elites, o crítico social Christopher Lasch já havia denunciado, nos Estados Unidos, a existência de uma nova classe de intelectuais no poder, a qual ele denominou de intelligentsia. O autor não esclarece exatamente como essa nova classe subiu ao poder, mas no caso brasileiro podemos situar esse ponto no período conhecido como ditadura militar. Preocupados principalmente com o comunismo armado, os militares brasileiros permitiram que o comunismo teórico, ou marxismo cultural, se proliferasse à vontade nas universidades brasileiras, um fato que explica a atual natureza marxista de alguns cursos, especialmente aqueles da área de humanas. O fato é que hoje existe uma nova elite de intelectuais brasileiros e, como toda elite, ela é minoria. No caso brasileiro, ela também vem criando demônios e suas vítimas, ao mesmo tempo em que se apresenta como defensores dessas vítimas, como paladinos das "minorias excluídas" vítimas de um "sistema opressor", sendo que, contraditoriamente, eles mesmos fazem parte do topo desse sistema.

A lógica da produção de notícias e programas televisivos – e sua consequente divulgação – possui critérios que valorizam o diferente, o chocante, o estranho e o inusitado. Ou seja, no fim das contas, o objetivo é conseguir um nível elevado de audiência para atrair a venda de espaço publicitário, a principal receita das grandes emissoras. Assim, pela própria natureza do material midiático, o qual deve garantir essa audiência, os ideais e comportamentos defendidos com base em obras de ideólogos neomarxistas – os deuses da tal intelligentsia - ganham espaço nos noticiários com facilidade, justamente por irem contra o que pensa a maioria, justamente por tais ideais serem estranhos e chocantes para a maioria e justamente por possuir um forte apelo emocional que evoca a curiosidade, a aversão ou até o medo da maioria conservadora.  Exemplos desses comportamentos e ideais podem ser vistos atualmente na pauta da mídia: ativismo gay, liberação das drogas e o patrulhamento ideológico denominado “politicamente correto”. Todas essas coisas vão contra a corrente da maioria real da população e, por isso, vendem jornais e dão audiência.

Segundo a teoria da espiral do silêncio, quanto mais minoritária a opinião dentro de um universo social, maior será a tendência de que ela não seja manifestada. A princípio, essa teoria não poderia explicar quais seriam as causas para que justamente a maioria permaneça calada diante dos ideais minoritários da intelligentsia. Ocorre que, vendo a ampla divulgação desses ideais na mídia, muitas vezes sendo apoiados por uma ou outra emissora menos imparcial (logo, menos ética), a impressão que a maioria conservadora possui é que esses ideais e comportamentos estão por todos os lados. Ou seja, a mídia, não necessariamente de forma intencional, termina por criar uma ilusão, conferindo à minoria a aparência de maioria, criando uma espécie de “maioria virtual” que existe apenas na mente dos consumidores da mídia de massa, o que inclui todos, tanto os da maioria conservadora – que passam a temer expressar suas próprias opiniões – quanto os da minoria – que acabam sentindo-se mais fortes e confiantes para propagar ideais esquerdistas e comportamentos repulsivos.

Percebe-se, portanto, que é plausível afirmar que existe uma ditadura não oficial das minorias no Brasil. Por meio da mídia, a maioria conservadora é ameaçada por propostas de leis que amordaçam opiniões e põem em risco a liberdade de expressão e, consequentemente, a própria democracia, sendo que, como visto, o amordaçamento já ocorre, ainda que de forma não instituída como lei. Hoje é complicado criticar, por exemplo, o ativismo gay. As próprias pessoas integrantes da maioria, mesmo intimamente concordando com a crítica, alertarão para o risco de se estar cometendo crime de “homofobia”, o mais novo demônio criado pela intelligentsia.  Não se pode criticar usuários de drogas os chamando de “maconheiros”, pois logo se é tachado de preconceituoso. Eles devem ser protegidos de quaisquer críticas, provavelmente para dar legitimidade à legalização de substâncias destruidoras da dignidade humana. Na televisão, o humor deve concentrar-se apenas em piadas de brancos ricos e religiosos, sob o risco de ser processado juridicamente. Podemos fazer piadas do papa, mas é um pecado mortal criticar o comportamento homossexual ou o consumo de drogas. E, assim, o silêncio da maioria aumenta progressivamente e, estranhamente, só os mais corajosos ousam falar aquilo que todo mundo pensa. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…