Pular para o conteúdo principal

A inflação e a ineficácia de um protesto

Os recentes movimentos estudantis em São Paulo contra o aumento nas passagens de ônibus têm se mostrado de natureza problemática e ineficaz para seus próprios propósitos. A forma como realizam seus protestos, além de ser rejeitada pela imensa maioria da população que utiliza transporte público, provoca um caos que desagrada não só essa mesma população como também começa a criar uma imagem negativa do próprio movimento. Além disso, não há indícios de que essas ações estejam realmente surtindo efeito na verdadeira causa do aumento: a inflação.

Crédito: www.uol.com.br

O que se percebe é uma minoria - a princípio majoritariamente composta de estudantes – que alega representar os desejos e anseios da maioria usuária de transporte público. Porém, é amplamente reconhecido que essa maioria, apesar de sempre reclamar quando os preços de quaisquer produtos ou serviços inflacionam, parece compreender (ou ao menos pensam compreender) as causas desses aumentos, as quais se encontrariam no complexo mundo do mercado. É comum observar grupos com ideais ditos revolucionários ou esquerdistas se autoproclamarem como defensores dessa maioria fraca, pobre e oprimida pelo sistema opressor, ainda que essa mesma maioria pobre não tenha feito qualquer tipo de pedido de socorro ou delegado poderes de representação para os integrantes desse movimento.

Em nome de uma espécie de justiça social, unem-se aos montes nas ruas por meio de comunicações no mais recente braço do capitalismo (a internet), para interromper as principais vias de trânsito das grandes cidades durante a hora do rush, justamente quando os milhares de trabalhadores da tal maioria necessitada, pobre e oprimida, estão tentando voltar para casa depois de um dia árduo de trabalho. Munidos de uma ilusória superioridade moral como argumento, queimam pneus, agridem policiais, destroem e depredam patrimônio público e privado. Tudo para baixar o preço da passagem.

Percebemos que tais ações sequer arranham as verdadeiras causas do aumento. O preço do tomate aumentou. O preço da farinha aumentou. O preço da gasolina aumentou. Se tudo aumentou, incluindo itens diretamente relacionados à manutenção do transporte público, é esperado que o mesmo acontecesse com as passagens de ônibus. É óbvio que não adianta gritar, queimar e quebrar ônibus. Se o preço de mercado de qualquer item não segue a lógica do grito e da violência, por que seria diferente com a passagens de ônibus? Não é assim que se controla a inflação.

Dessa forma, é plausível afirmar que a continuidade desses protestos, ao menos da forma como está, dificilmente vai gerar o efeito desejado pelos seus participantes. Tudo indica que insistir nisso vai piorar a imagem do movimento perante a população, a qual não parece satisfeita com os problemas e com a violência provocados pelos manifestantes. Além disso, pode-se criar a impressão de que, mais do que resolver o problema, os revoltosos estão mais é querendo aparecer na televisão.

Comentários

  1. Poww, muito bom o seu ponto de visto, e concordo com ele!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…