Pular para o conteúdo principal

Mossoró Cidade Junina: doido é quem vai


É verdade que o evento Mossoró Cidade Junina já nasceu com fama ruim. Mas é comum um evento possuir essa fama ao ser aberto ao público, sem filtros. Entra todo mundo. Qualquer um. Não adianta colocar uma placa "Proibida entrada de bandidos". Entram todos os mau elementos da sociedade mossoroense: vândalos, assaltantes, traficantes, ladrões e assassinos. Definitivamente, tornou-se uma festa da bandidagem. No início era uma festa para todos. Ou pelo menos – com esforço – ainda poderíamos ter essa ilusão. Quando digo festa, evoco a palavra em seu sentido mais puro: onde o povo vai para realmente se divertir; esquecer os problemas; e não para ir atrás de problemas; não para se preocupar com roubo de veículos, brigas, facadas e balas perdidas. A ilusão acabou. Tornou-se insustentável.

Hoje vemos como as autoridades locais vieram investindo – ao longo dos anos – milhões de reais num evento que não trás nenhum benefício real para Mossoró. Apenas preocupação. O simples fato de dar mais lucro para meia dúzia de hotéis ou para um punhado de comerciantes não resulta numa cidade melhor. Pode-se até dizer que uma economia forte sempre é bem vinda para qualquer cidade, mas um crescimento econômico acompanhado por tantos problemas sociais só pode ser problemático. É aí quando o crescimento econômico não passa de uma ilusão. Números para serem vendidos eleitoralmente, que, na realidade, só implicam em malefícios.

É claro que o evento Mossoró Cidade Junina – por si – não provoca a criminalidade na cidade. Mas os fatos que ocorreram no último fim de semana, dentro do evento, refletem bem a situação na qual nossas autoridades deixaram a cidade: dois mortos e uns quatro feridos pelas balas perdidas. Além disso, o dinheiro que é e que foi investido em um evento desse tamanho deveria ser aplicado – há anos - no combate à criminalidade, que já andava mal. Imagine quanto dinheiro investido em tranqüilidade nós perdemos.

Quem quer festa quando não há nada para festejar? Estamos celebrando o quê? O tráfico de drogas cada vez mais forte na cidade? Os assassinatos constantes? Recordes de assaltos? Muito bem. Mossoró cresceu. Mas quem queria que fosse assim? Mossoró não soube crescer.
Evoluir não é tão fácil assim. É preciso planejamento sério, que nossas autoridades desconhecem e apenas utopicamente espero que ajam conforme os reais interesses públicos. Ou seja, já que é assim: tudo bagunçado mesmo - nenhum político se preocupando com a criminalidade - é mais fácil e sensato avisar à população com uma placa em frente aos eventos públicos mossoroenses: "Cuidado. Perigo iminente de morte".

Não desejo – com esse texto – tentar abolir as festas do calendário junino de Mossoró, mas apenas sugerir uma finalidade melhor para os recursos que são direcionados para esse evento. Cultura é bom, mas acredito que a prioridade seja outra: combate à insegurança. Acredito que dinheiro não vai faltar. Afinal, quem faz uma festa anual da dimensão do Cidade Junina pode implantar boas políticas de segurança pública com uma certa folga no bolso. Então, vamos em busca de um progresso real para Mossoró. Um progresso com desenvolvimento econômico aliado a um planejamento sensato, de forma oferecer segurança e tranqüilidade para toda a população.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…