Pular para o conteúdo principal

Já é Carnatal! Vem viver!

Eu gostei do Carnatal este ano. Foi muito legal ver tudo pela TV, de longe mesmo, sem o mal cheiro de urina misturado com bebida alcoólica. É tranquilo ficar longe das brigas, das facadas e das balas perdidas. Também foi engraçado ver uma daquelas bandas de axé tentando cantar as músicas do Aviões do Forró. Perceberam que aquelas músicas batidas de décadas atrás não causam tanto impacto quanto os forrozinhos daqui. Foi hilário ver os caras se atrapalhando ao tentar animar com o novo repertório forrozeiro. Ora, mas é claro que os drogados lá embaixo nem perceberam os erros. Com alcóol e lança perfume na cabeça, tudo é maravilhoso. Eles esqueçeram que pagaram mais R$ 400,00 só pra ficar lá embaixo se drogando e beijando desconhecidos, prestes a pegar uma doença. Depois de dez doses de cana, até eu.

Eu não vou criticar os apresentadores do De olho na folia. Afinal, eles sim souberam fazer-me rir um bocado com seus equívocos e elogios forçados.

Fiquei sabendo também que em todos os abadás veio junto uma camisinha. Não importava a idade do folião. Pois é, caro amigo. Suas filhinhas de 14 aninhos receberam, cada uma, uma camisinha. Você sabia? Pois foi. Nesse momento elas devem estar arrumando alguma utilidade para elas. É claro que só um ingênuo pensaria que o carnatal não é para isso: sexo. Não sei o que a organização do evento estava pensando ao entregar uma camisinha dentro de cada abadá. Só sei mesmo é a mensagem que essa atitude passa: Carnatal só serve para putaria. Mas não se preocupe. Pelo menos suas filhinhas não vão ficar grávidas quando o carnatal acabar.

Tá bom. Posso estar parecendo despeitado ou revoltado só por que fiquei em casa no Carnatal. Mas pelo menos eu tenho razão e estou R$ 400,00 menos pobre. Eu que não sou doido pra dar dinheiro de graça pra enricar os outros. Afinal, eu tô mentindo?

Comentários

  1. Anônimo10:25 AM

    é, engracadinho...
    Tu só esqueceste de acrescentar que também foste ao abominável evento no domingo, nao é?
    E pagou para isso...
    Até mais.

    ResponderExcluir
  2. É verdade. Não está no texto porque escrevi este post antes de ser convencido para ir ao evento. Pelo menos vi que, realmente, tudo que escrevi é verdade. Até.

    ResponderExcluir
  3. Amigo, não fique com raiva não, mas você só escreve bem sobre aquele outro assunto sabe. rsrs. Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Rapaiz, mesmo com raiva eu escrevi bem direitinho. Pior é que eu fui pular no domingo e, mais uma vez, vi que tudo o que tinha escrito era verdade. Até mais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…