Pular para o conteúdo principal

Aborto, drogas e a lógica do desespero

Ultimamente, o lobby para a descriminalização do aborto e para a legalização da venda de drogas – especialmente a maconha – anda ocupando boa parte da agenda política de certos movimentos sociais e do debate público em geral. Apesar de serem duas demandas distintas, ambas se utilizam de discursos que, independente da validade de seus argumentos, obedecem a uma lógica do pessimismo e do desespero, ainda que possamos questionar até que ponto os próprios defensores desse lobby acreditam em suas próprias palavras ou se é apenas uma racionalização (encenação) para ludibriar os outros e validar suas intenções “libertárias”.

Em seus discursos, os lobistas demonstram sua total descrença nos métodos tradicionais de lidar com tais temas, alegando que esses métodos não são eficazes ou apresentam problemas. “Já que as mulheres estão realizando abortos clandestinos, vamos ajuda-las e descriminalizar a morte de seus filhos não nascidos em clínicas autorizadas”, diz uns. “Já que todo mundo está usando drogas ilícitas, vamos legalizar logo essas substâncias, vendendo elas em farmácias. A repressão ao narcotráfico não funcionou. É uma guerra perdida. A legalização é a solução para reduzir o crime”, dizem outros.

Estamos numa época em que se uma coisa tem um defeito, devemos descarta-la no lugar de consertá-la. Fazemos isso, seja com objetos seja com pessoas. Para alguns usarem esse mesmo pensamento em relação às leis, aos valores e à moral tradicional, é só um passo.

No entanto, é interessante como essa insistente descrença nas leis vigentes não serve para alimentar um mínimo de ceticismo a respeito de seus próprios projetos mirabolantes de descriminalização. Mas o pior de tudo é que, mesmo optando pelo descarte de uma ou outra lei, no lugar de se criar soluções alternativas e originais, se limitam a seguir a modinha da atualidade: liberar geral. É a orientação anti-proibicionista como solução para tudo.

No caso do aborto, a argumentação realmente parece ter uma preocupação legitima. As mulheres que desejarem abortar seus filhos poderão fazê-lo em hospitais e clínicas autorizadas no lugar de submeter-se a clínicas clandestinas onde as chances de algo dar errado são bem maiores. Nesse sentido, legalizar o aborto seria benéfico para essas mulheres. No entanto, essa solução – obviamente imoral – não parece ser a melhor para resolver o fato triste de que muitas mulheres estão abortando. Muita gente esquece (ou tentam nos fazer esquecer) que o problema não é a inexistência de clínicas legais especializadas em aborto, mas sim o próprio fato de essas mulheres estarem buscando o aborto fora dos casos já aceitos pela lei brasileira.

Logo, o que os ativistas favoráveis ao aborto desejam é a descriminalização plena do aborto, que poderá ser feito mediante qualquer motivo banal que vier à cabeça da mãe, coisa que nossa presidenta já era favorável bem antes de ser presidenta[1], em nome da liberdade de escolha da mulher sobre seu próprio corpo. Ocorre que esses ativistas não lembram que as mulheres já possuem essa mesma liberdade de escolha antes de ter as relações sexuais irresponsáveis que provocaram a gravidez indesejada. Afinal, não é preciso ser um gênio para saber que é bem mais fácil e sensato dizer não agora (ou usar métodos contraceptivos) do que realizar um aborto posteriormente.

A liberdade sexual como direito parece estar acima dos deveres e responsabilidades que as pessoas deveriam ter sobre o próprio corpo. A luta agora é pela institucionalização da imoralidade, pela liberdade individual irresponsável e sem culpa. Além disso, outros países mais desenvolvidos, como o Canadá, já descriminalizaram o aborto e isso deve ser bom, como acreditam alguns, como se o desenvolvimento do Canadá decorresse dessas políticas ou como se os valores alheios se justificassem pela riqueza de quem os possui. É bom ter cuidado. Sempre considerei a cautela uma virtude.

Na mídia, fazer sexo se tornou uma façanha a se orgulhar ou uma espécie de libertação em torno da qual tudo gira. Não fazer sexo se transformou em motivo para a tristeza. Em meados da década de 90, a porção mais influente da mídia brasileira começou a tratar a questão da sexualidade dos jovens e adolescentes no intuito de desmistificar (leia-se ridicularizar) a virgindade e destruir normas relacionadas à castidade e à valorização do corpo feminino, que ainda eram fortes em vários setores da sociedade brasileira, naturalmente conservadora.

Lembro-me que, na época, a telenovela Malhação seguia essa mesma linha e não tinha vergonha de explorar a imagem dos corpos dos jovens tanto nas aberturas como durante o enredo da novela. A apresentadora e cantora Xuxa também deu sua contribuição. Uma de suas músicas dizia: “Libera o corpo pra poder sentir. Os desejos, as vontades, o que pedir (libera). Canta mais alto, mostra tua voz. O que importa o que os outros vão pensar de nós. Libera geral, libera geral, libera geral (então libera)”[2]. Os adolescentes eram o alvo. Por algum motivo misterioso, a televisão e algumas revistas direcionadas para esse público diziam que eles podiam fazer sexo antes do casamento, como se isso fosse de alguma forma essencial para o crescimento deles. Liberar geral é mais exemplar do que estudar matemática.

Xuxa cantando "Libera Geral"

O fato é que não duvido que essa vanglorização do sexo sem compromisso na mídia, entre adolescentes e adultos, tenha contribuído para o aumento de quase 60% no número de mães solteiras no Brasil em 10 anos, conforme o censo do IBGE 2010. No fim das contas quem paga o pato por ideologias liberais no campo sexual sempre é a mulher, até quando ela acha que vai se dar bem.

Será que os efeitos da revolução/liberação sexual nos EUA nas décadas de 1960 e 1970 só começaram a chegar por aqui na virada do século? É provável. O fato é que a redução da apologia ao sexo na mídia já seria uma grande contribuição na redução do número de gravidezes indesejadas, as quais são a verdadeira causa dos abortos induzidos e, consequentemente, da busca por clínicas clandestinas. É claro que a mídia não possui total responsabilização, mas as pessoas de fácil manipulação, que engolem tudo o que ela dita, sim. O retorno de normas relacionadas à castidade e à valorização da mulher é uma solução moralmente mais viável e eficaz (não a única), mas nunca veremos a grande mídia fazendo uma campanha nesse sentido; muito pelo contrário, como podemos ver no sucesso de músicas e danças que pregam a promiscuidade, entre outros anti-valores. O autocontrole que se dane. O negócio é ser “vida loka”.

Já a respeito da legalização das drogas, a crença na cartilha da liberação geral encontra problemas. Por exemplo, enquanto uma miríade de empolgados, viciados e/ou intelectuais aplaudia a legalização da maconha no Uruguai, o próprio presidente Mujica, tomando chimarrão, admitiu que não sabia ao certo o que estava fazendo. “É um experimento sociopolítico frente a um problema tão grave como é o narcotráfico.”, disse[3]. O certo é que uma boa parte dos uruguaios não está gostando de ser cobaia desse experimento. Afinal, os efeitos nocivos de qualquer droga para uma sociedade são inquestionáveis[4]. Um dia desses, eu tive um debate pela Internet com um ativista que defendia a liberação da maconha se utilizando de uma analogia com as frituras: “Mesmo se a maconha for prejudicial à saúde, o governo não deveria impedir as pessoas de usá-la. Afinal, fritura faz mal e nem por isso o governo proíbe a pessoas de comer fritura”. Perguntei a ele se algum dia ele tinha ouvido falar de alguém que roubou os objetos de valor da casa dos pais ou cometeu crimes para aplacar o vício em fritura. Para não falar mais absurdos, ele não respondeu.

Diferentemente do que alegam os defensores da supremacia da liberdade individual, nunca o prejudicado é apenas o usuário. Bandidos se drogam no intuito de cometer assaltos e homicídios; pessoas morrem em decorrência de motoristas embriagados; famílias veem seus filhos se degenerando em todos os sentidos, muitos dos quais passando a cometer crimes apenas para manter o vício. Sobre esse último exemplo, é bastante sabido, ainda que muitas vezes esquecido, o fato de que o consumo de drogas não só alimenta organizações criminosas, como também transforma os usuários nos próprios criminosos, como relata a socióloga Alba Zaluar: “(...) a separação entre traficante e usuário, sombreada pelas leis pouco claras, torna-se tanto mais difícil quanto mais obcecada pela droga a pessoa é. Hoje, é fato aceito que a necessidade de pagar ao traficante leva o usuário a roubar, assaltar e algumas vezes a escalar o seu envolvimento no crime”. Não duvido que ele cometeria os mesmos crimes para pagar a uma eventual farmácia autorizada pelo governo a vender maconha.

Porque existe tanta gente que tem fé numa política de legalização que pode incentivar o agravamento da situação? Ou eles têm certeza de que essa solução é salvadora e vai resolver o problema do narcotráfico? Não acredito nessa certeza, mas acredito que a fé nessa solução pode cegá-los para a possibilidade de consequências desastrosas. Acredito que qualquer tipo de mudança significativa na legislação de um país, feita sem cautela, deveria ser acompanhada pela responsabilização a respeito de eventuais consequências nefastas dessa decisão. Seria uma forma de proteger uma nação de ideias idiotas que nascem da cabeça de eventuais porra-loucas ocupantes de cargos no poder, como é o Mujica.

Uma das formas de combater um câncer é o matando de fome. Sem o dinheiro dos usuários viciados, o narcotráfico morre. É simples. Deveria existir uma penalidade maior para quem usa drogas, pois, além disso, todo usuário é um traficante em potencial. A penalidade deve cair sobre os usuários e ela não deve vim apenas via jurídica. Todo usuário deve ser visto socialmente como um imbecil manipulado pelo narcotráfico, mas não elogiado ou ter sua atitude minimizada em várias mensagens midiáticas de apologia às drogas.

Deveria existir um controle maior em relação aos valores que os jovens estão recebendo, um controle exercido por suas famílias e nas escolas. Nesse sentido, o preconceito que existe a respeito do mundo das drogas deve ser exaltado e quanto mais ele existir na sociedade, especialmente entre os jovens, melhor, pois mais longe eles ficarão desse mundo. Quando todo jovem pensar que ser um “velho careta” é, na verdade, ser adepto do uso de maconha e de outras drogas, saberemos que estará tudo bem.





[1] Dilma Rousseff defendeu o aborto generalizado durante uma sabatina da Folha de S. Paulo em 04/10/2007, um discurso que foi alterado posteriormente em 2010 durante debates poucos dias antes das eleições, provavelmente feito apenas para ficar bem na opinião pública.
[2] A música "Libera Geral" foi lançada em 1997.
[3] Leia a matéria “Os efeitos internacionais do 'experimento' uruguaio com maconha” publicada em 11/12/2013 no site da BBC Brasil.
[4] O argumento que se utiliza de eventuais benefícios medicinais da maconha perde a força diante dos infindáveis malefícios que a mesma droga pode trazer para a saúde, como surtos psicóticos, problemas de memória, problemas de aprendizado, disfunção sexual e alguns tipos de câncer.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…