Pular para o conteúdo principal

Negação do Holocausto e nazistas bonzinhos

Hoje, decidi perder tempo, como já fiz algumas vezes, para manifestar minha falta de paciência contra argumentos de gente que insiste em envergonhar a espécie humana. Acredito que, quando alguém decide envergonhar os séculos de estudo e avanço científico que nossos ancestrais nos concederam, que o faça de uma forma que os assemelhe, pelo menos, a espécies menos esclarecidas.

Refiro-me ao texto de um cara do PCdoB e à pena que tenho daqueles que acreditam nele. No texto, ele defende o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad em relação à manifestações feitas aqui no Brasil, durante a Rio+20, contra sua pessoa. Basicamente, durante esse texto ele tenta tornar verdade as seguintes afirmações:

i) Criticar o governo de Ahmadinejad é o mesmo que incitar ódio à fé islâmica.
ii) Israel é um país nazista.

Não é difícil detectar o sintoma de ignorância – isso se não for falta de vergonha – quando ele considera uma manifestação contra Ahmadinejad uma incitação ao ódio contra toda a fé islâmica. É verdade, leitores. Ele fez isso. Se o senhor Ahmadinejad fosse pelo menos um clérigo ou coisa do tipo, alguém ainda poderia confundir as coisas (e eu tentaria perdoá-lo). Ou seja, foi uma forçada das grandes. E tão grandes foram os absurdos escritos que isso lhe rendeu uma resposta do próprio presidente da Conib, que conseguiu ser gentil (até demais) em relação ao caso.

Eu já conheci pessoas de ideologia semelhante ao do tal articulista. Elas têm uma grande facilidade para a miopia intelectual (ou falta de caráter mesmo), muitas vezes tentando fazer da ciência um instrumento para defender suas visões políticas ou ideológicas, um erro que, infelizmente, muitos acadêmicos das ciências humanas praticam de propósito aqui no Brasil.

O rigor lógico é tão desconhecido do articulista que ele caracteriza o Estado judeu de nazista (isso já está batido) sem suspeitar que, fora o próprio absurdo da afirmação, ao fazer isso ao mesmo tempo em que defende integralmente o sr. Ahmadinejad, está enfraquecendo a negatividade e a força acusatória do próprio termo "nazista", usado com tanto orgulho por ele e uma miríade de gente revoltada, para deslegitimar o direito de Israel existir.

Isso ocorre pelo fato de Ahmadinejad defender o revisionismo histórico sobre o Holocausto, negando sua existência. Ora, se isso for levado a sério, implica necessariamente que os nazistas não cometeram nenhum massacre de milhões de pessoas e que, consequentemente, seriam pessoas boas ou, pelo menos, pacíficas. Afinal, qual mal os nazistas teriam feito se eles não perpetraram o Holocausto?

Eu até tentei tirar essa dúvida com o próprio articulista por meio de um comentário deixado no texto em questão, perguntando educadamente como ele explicaria esse "tiro no pé". No entanto, meu comentário sequer foi publicado, apesar de apenas instigar o debate sem qualquer tipo de ofensa ou linguagem agressiva.

Por fim, dentro de uma realidade alternativa onde não existiu o Holocausto, eu mesmo não teria receio em me identificar como nazista e se Israel o fosse, qual seria o problema? Isso demonstra apenas que não é muito inteligente, para aqueles que insistem em usar o argumento absurdo de um “nazismo israelense”, também apoiar integralmente o sr. Ahmadinejad, como o fez o articulista. Mas para esse tipo de gente o que importa é mais combustível para defender sua ideologia a qualquer custo, mesmo o do suicídio intelectual.

Comentários

  1. Anônimo2:15 PM

    Acho que esse cara sofre de algum transtorno psicológico, não é possível! Muito bom seu texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…