Pular para o conteúdo principal

As contradições da ignorância e do anti-semitismo no Nordeste

É quando menos se espera a emergência da ignorância e do ódio que eles mais nos surpreendem e nos revoltam. E o que falar quando o anti-semitismo, antigo e desagradável companheiro do povo judeu, surge entre descendentes do próprio povo de Israel nas paragens de Caicó (RN), uma cidadezinha nordestina conhecida por ter muitos descendentes de judeus? O desejo de morte, referências distorcidas – e por isso hilárias – sobre a história e o nazismo, alusões a velhas e engraçadas teorias da conspiração, são comuns entre gente ignorante que se deixa levar por essa antiga e incoerente corrente de ódio.

O caso ocorreu quando menos se esperava, durante uma conversa entre colegas, ocorrendo de forma desnecessária e grosseira numa ocasião que deveria ser agradável e despropositada. E é interessante a falta de criatividade: desejou-se a morte de todos os judeus com base em argumentos tolos e inverdades já muito batidas pertencentes ao “arsenal” de quem não tem muita inteligência.

Mas isso não é um caso isolado aqui no Rio Grande do Norte. No início da década de 90, em Natal, um pequeno grupo de pessoas estava a escrever e publicar opiniões anti-semitas. Quando Ben Abraham, enviado por um grupo de combate a esse tipo de crime, veio averiguar o caso, percebeu que os próprios missivistas eram descendentes de judeus, assim como a maioria dos nordestinos brasileiros. Eu mesmo já me deparei com professores universitários e pretensos intelectuais entre Natal e Mossoró com idéias problemáticas, desejando a morte de seus próprios avós. Como teriam nascido? Trata-se de uma ancestralidade constatada por inúmeras pesquisas genealógicas e antropológicas, especialmente pelas pesquisas da professora Anita Novinsky e de alguns estudiosos potiguares, também motivo de produção de alguns documentários, dos quais destacamos “A Estrela Oculta do Sertão”.

Tais ideais de ódio, quando surgem aqui e acolá, na mente de certos deficientes intelectuais – ainda que descendentes de judeus -, são generalistas, pois assim é o anti-semitismo. Os judeus, para essas pessoas, são pessoas desconhecidas e distantes. Assim, o “terrível judeu” é uma imagem abstrata de cunho irracional, um inimigo idealizado, um adequado bode expiatório que os conforta. Ou seja, o anti-semitismo é uma fuga confortável para suas mentes simplistas resolverem eventuais dissonâncias cognitivas em relação ao mundo. Compreende-se mais facilmente o que se passa ao seu redor quando se há um culpado, um inimigo, um vilão. É comum vermos por aí a encarnação da culpa dos problemas mundiais: o capitalismo, os banqueiros, os judeus, os EUA, os maçons e por aí vai a lista de protagonistas das mais infantis e bobocas teorias da conspiração que agradam e fornecem explicações fáceis para mentes reduzidas, que as aceitam prontamente.

Só que as coisas complicam quando um ódio cego que normalmente é apontado para um alvo generalizado e distante (os "terríveis judeus") começa a ofender um indivíduo: o judeu e a judia que trabalha logo ali, o judeu que tem uma família e amigos, o judeu como pessoa real e não como um inimigo abstrato. Nesse caso, além da insuficiencia cognitiva, temos uma ineficiência moral, pois se está a ofender alguém sem qualquer motivo racional. Posso afirmar que o caso está sob análise para eventuais providências.

A despeito desse caso, o sentimento que podemos ter em relação a essas pessoas é a pura piedade devido à sua ingenuidade e ignorância, pois é sabido que hoje, apesar de constituirem uma constante e incômoda pedrinha no sapato dos judeus, quando isolados e insignificantes, eles não passam disso: uma pedrinha num sapato. E, assim, continuamos andando.

Comentários

  1. .


    Adorei o teu blog, professor.
    Vou segui-lo e espero ter a
    honra de saber-te seguindo o
    meu.

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…