Pular para o conteúdo principal

Bandidagem e esculhambação em Mossoró


Será que devemos nos conformar com o que está acontecendo em Mossoró? A cidade não serve mais para viver. Pelo menos não em paz e tranquilidade, como ocorria há alguns anos. A bandidagem tomou conta de tudo. O tráfico de drogas é quem manda agora. É uma terra de ninguém. É uma verdadeira esculhambação.

Moro em Natal há dez anos e nunca fui assaltado por lá. Mas um dia vim visitar minha cidade e uma dupla de vagabundos numa moto levou carteira e relógio, meus e de minha namorada, que também teve esse desprazer. Faz tempo. O assalto foi em 2001, mas não foi em Natal, uma cidade maior e supostamente mais perigosa. Foi bem aqui mesmo. E de lá pra cá, em 2008, a situação só piorou. Feliz ano novo.

Recentemente vim passar férias aqui e fiquei sabendo que todo dia matam um na cidade. Pensei que fosse exagero. Estava enganado. É verdade que a maioria das vítimas estavam envolvidas com o crime e com o tráfico. Ora, se os bandidos fossem as únicas vítimas deles próprios, seria ótimo. Mas, ontem mesmo, minha vizinha foi seqüestrada no momento em que chegava do trabalho em casa. Pelo menos nada demais aconteceu a ela, pois foi liberada horas depois numa cidade próxima.

O que impede que o mesmo ocorra comigo? Ou mesmo com você, leitor? Infelizmente, nada é o que muitas pessoas acreditam que podem fazer contra isso. Imaginam-se de mãos atadas, incapazes de influenciar nas atitudes das autoridades que poderiam (ou podem... não sei) fazer algo para nos dar mais segurança. É claro que uns poucos podem erguer uma cerca elétrica em volta de suas residências e/ou contratar um serviço de segurança particular. Mas sabemos que nem isso é garantia. Na verdade, a própria cerca elétrica, cada vez mais presente nas casas mossoroenses, é o marco da insegurança em que nos encontramos.

Informação é o que não falta. Todos sabem onde ficam os pontos que alimentam o crime e os responsáveis diretos e indiretos pela situação da segurança pública mossoroense. Tenho certeza que as autoridades policiais têm conhecimento desses locais e as pessoas chave. Logo, se sabem, por que não resolvem logo isso? Mas, se não sabem, realmente estamos bem arrumados. Onde estão os recursos para segurança mossoroense? O Estado não está repassando o suficiente devido à briguinhas políticas?

É claro que, a longo prazo, a educação é a solução para tudo, inclusive a insegurança, em qualquer lugar do mundo. No entanto, precisamos de um pouco de resultado a curto prazo. Mas os nossos políticos - irresponsáveis pela nossa segurança - não querem saber de resolver nada além de suas próprias vidas políticas: “o povo é que se lasque”, o que nós podemos fazer? Cobrar adianta alguma coisa? E agora? Vamos votar em quem? Quem dá mais? O voto no Brasil é comprado. Então estou aqui publicamente leiloando o meu por mais segurança em minha cidade. Quem der mais ganha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…