Pular para o conteúdo principal

Big Brother

Hoje, na divulgação de quem ia "pegar o beco" do Big Brother, Pedro Bial citou Winston Churchil para dar uma indireta a um dos participantes: mais um cowboy. Nas palavras de Bial: "Durante a guerra, e o Big Brother é uma guerra, a verdade é tão valiosa que precisa ser cercada por mentiras". Muito bonito. O BBB, durante uns dez segundos, igualou-se, em importância, à 2ª Guerra Mundial.

O ar de solenidade do texto, muito bem escrito, que antecede o resultado da votação é bastante adequado para um dos objetivos do programa, que é deixar seu caráter fútil, que usa estereótipos claros(cowboys grossos, gostosas lascivas, galãs e homossexuais variados) ocultado, de preferência por analogias com fatos ou personalidades históricas.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Bom, Nestor, não tem nada a ver com Big Brother, mas acho que tem tudo a ver com seu blog que aponta fatos do cotiiano e do nosso mundo de comunicação. É o seguinte: Desde o final de fevereiro, a TV Diário do Cerá deixou de ser transmitida para as parabólicas de todo o país. Isso me incomodou muito. Não só pelo fato de ser mais uma TV que saiu do ar, mas sim, por ser uma que, mesmo de forma não muito agradável, mostrava para todo o brasil que a nossa região nordeste tem condições de manter uma rede de TV independente. Além disso, a TV Diário ainda tinha um papel muito importante de integração e, de certa forma, conforto para os nordestinos que moram em outras regiões do país mas amam seu estado de origem. Enfim, estou passando esse link de um artigo que achei na internet e divulga ao mesmo tempo que justifica a importância daquela TV para o povo brasileiro. Forte abraço!
    http://parazinet.wordpress.com/2009/02/27/tv-diario-fora-da-parabolica/
    JEFERSON ROCHA

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…