Pular para o conteúdo principal

Como fazer a paz no Oriente Médio

Por Nestor Burlamaqui

Para se conseguir estabelecer um clima de paz no oriente médio, principalmente entre Israel e palestinos, é necessário esquecer as origens históricas do conflito – que sempre se confundem com o propósito de culpar um ou outro lado – e entender suas atuais causas. Muitos acreditam que a causa do problema é a própria existência do Estado israelense e tais pessoas fazem de tudo para deslegitimá-lo. De fato, muitos indivíduos – inclusive supostos intelectuais – acreditam nisso e põem a principal culpa sobre os judeus. No entanto, já está bastante claro que Israel existe por mérito próprio e, além disso, não é bem o objetivo desse artigo debater tal mérito. Irei abordar uma paz no sentido de convivência entre dois povos, e não uma paz onde só existiria um dos povos e outro seria exterminado ou expulso da região.

Por que o conflito existe?
Propondo-se à resolver o conflito com base no ocorre hoje, vemos que o estado israelense apenas está tomando decisões de ataque baseando-se num único objetivo: sua defesa. De fato, não se consegue observar motivos para que Israel queira piorar o conflito na região, já que sempre que isso ocorre ele próprio se prejudica – tanto em sua reputação frente à comunidade internacional (que sempre critica suas ações defensivas) quanto em sua economia, que sofre com a possibilidade de embargos, queda de renda oriunda do turismo, além da fuga de israelenses para lugares mais seguros no mundo. Afinal, não é muito bom morar num país onde você precisa ficar se escondendo em abrigos subterrâneos toda vez que um palestino decide mandar um míssil contra Israel, torcendo pra matar um civil inocente qualquer. Tal comportamento dos grupos terroristas é natural, já que é exatamente esse o propósito deles: causar terror, desprestigiar Israel, prejudicar sua economia e imagem perante o mundo. Não interessa a eles a paz. Ao mesmo tempo, o terrorismo nunca vai acabar com Israel. Dessa forma, nem Israel, nem os terroristas ganham com isso. E a coisa nunca sai do canto.

Então quem ganharia com a perpetuação desse ódio?
A resposta vem ao responder a uma outra pergunta: quem patrocina tanto os grupos armados palestinos quanto o grupo terrorists libanês Hezbolah? Sabemos que o dinheiro, o conhecimento e as armas que o pior grupo palestino, o Hamas, adquire, provém do Irã. A mesma coisa ocorre com o Hezbolah, outra cria iraniana.

Por que esses conflitos interessam ao Irã?
O Irã é o segundo maior exportador de petróleo da OPEP. Esses conflitos, que são financiados por esse mesmo governo, beneficia bastante seu mercado petrolífero. Por exemplo, só com ameaças, em janeiro de 2006 o barril de petróleo era vendido por US$ 53,00. Com a abertura da frente libanesa, o preço já havia chegado a US$ 76,60. Resumindo, o Irã usa sua forte influência no Hezbollah e no Hamas com o objetivo de provocar conflitos e lucrar no mercado de petróleo. Além disso, esse braço do Irã no Líbano ainda trabalha com crimes no exterior, que provavelmente é uma outra fonte de renda para manter o grupo. Abaixo há um trecho de uma entrevista publicada no Jornal Alef, concedida em ocasião de uma recente visita ao Brasil do ministro da segurança interna de Israel, Avraham Dichter:

O Hezbollah tem sido usado pelo Irã como um front para realizar ataques no exterior desde o fim dos anos 80. As embaixadas iranianas estão sendo usadas como fornecedores de infra-estrutura para os terroristas do Hezbollah. O grupo também lucra com atividades criminosas, como tráfico de drogas e de diamantes ilegais. Sua ação na Tríplice Fronteira, principalmente no lado paraguaio, é bem conhecida. Lá, lida com cocaína. E o Irã busca a bomba nuclear. Esta será a maior ameaça desde a II Guerra Mundial. Espero que os países descubram uma forma de pará-los, através de sanções ou qualquer outra forma.


Como acabar com o conflito a curto prazo?
Muitos acreditam que para se vencer uma guerra é preciso destruir o outro lado. Por outro lado, o ataque direto a Israel ou aos grupos armados palestinos não significa necessariamente que eles serão destruídos. Os anos infindáveis de conflito nos mostra que ataques não resolvem as coisas. Afinal, os grupos inimigos de Israel são constantemente supridos com armas e dinheiro. Se um ataque mata metade de uma dessas organizações terroristas, não demora muito para que o mesmo grupo se recupere e talvez com uma força maior contra Israel.

Partindo da hipótese plausível de que, caso os grupos inimigos de Israel cessem seus ataques, haverá uma paz imediata; a melhor forma de se conseguir isso é impedindo o financiamento de tais grupos. Eles não acabarão por decisão desses grupos. O Irã está pagando e quer ver resultados. Sabemos que esses grupos não recebem dinheiro apenas do Irã, mas esse país representa seu principal apoio e o fim dessa ajuda poderia acabar rapidamente com a atual espiral de violência na região. Sem dinheiro e armas, nenhum grupo armado funciona.

Qual a melhor forma de impedir o financiamento do Irã a tais organizações terroristas?
As medidas militares americanas de derrubar governos onde quer que seja não adiantaria no caso iraniano devido à possibilidade uma generalização da guerra. Ou seja, seria pior. Além disso, a mudança de governo não garante que essa política de apoiar grupos armados externos acabe, pois ele vêm desde a década de 80, quando o atual presidente iraniano e cabeça da atual crise, Mahmoud Ahmadinejad, era apenas um soldado da Guarda Revolucionária de seu país.

Apenas a pressão internacional, através de embargos econômicos, é capaz de fazer com que o Irã pare com suas atitudes hostis em relação a Israel, sem que seja necessário ocorrer um alastramento do conflito através de uma ação militar contra o país de Ahmadinejad.

É só isso?
Infelizmente não. Essas propostas tem objetivo de se conseguir um fim do conflito a curto prazo. Resumindo, por meio de pressões internacionais, o Irã seria obrigado a parar com suas intenções nucleares e com o apoio às organizações terroristas contra Israel. Com o fim de recursos, o Hezbolah, o Hamas e quem quer que seja terá que arrumar dinheiro e armas de outro lugar. Talvez existam países prontos a substituir o Irã nesse cenário, mas mesmo esse possível candidato ficará temerário: “Será que vale a pena arriscar a economia de meu país só para perturbar Israel?”

Comentários

  1. Pessoa amiga, vejo que tens o dom da palavra. :):):)

    Beijããão, fique com deus.

    Talytha.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…