Pular para o conteúdo principal

Politicagem no serviço público

Observando o funcionamento de uma empresa estatal de perto, percebi que a influência da política - juntamente com todos os seus jogos e intrigas - dentro do serviço público, só desvia o funcionalismo público de sua principal finalidade, que seria servir os interesses da sociedade. O esquema que determina os cargos comissionados (de direção, chefia e assessoramento), oriundo dos jogos políticos entre os partidos, provoca a desmotivação entre os funcionários e a ineficiência dentro do serviço. Tal realidade confirma o que todos os cidadãos já sabem há muito tempo, mas parecem ter dificuldade de aprender: onde a política está envolvida, nada funciona direito.

Recentemente, tive contato com um funcionário de uma dessas entidades. Ele me informou que a principal causa da desmotivação entre os funcionários concursados não são os baixos salários, mas o sentimento de injustiça do qual são acometidos ao perceberem o contraste salarial que existe entre eles e os ocupantes de cargos comissionados(com indicação política), que, mesmo com atribuições de mesmo nível, recebem salários até três vezes maiores e ainda contam com a comodidade de cumprirem horários de trabalho irritantemente flexíveis. Se todos recebessem a mesma quantia e trabalhassem segundo o mesmo horário, a situação seria diferente. Por exemplo, alguns dos indivíduos se limitam a passar o tempo conversando abrobrinhas no horário de expediente, uns com os outros, despertando a revolta dos colegas concursados que precisam se esforçar no serviço e cumprir, militarmente, o horário de oito horas diárias. Pior são outros que nem se dão ao trabalho de fofocar no serviço, pois sequer pisam no local de trabalho. Além de desmotivar os outros funcionários, isso acaba com a imagem do serviço público, que prossegue com o vergonhoso título de cabide de empregos. Se houvesse um controle justo desses trabalhadores com indicação política, não haveria o problema. Porém, o controle inexiste, pelo menos, de forma eficaz. Por exemplo, só porque fulano é sobrinho do primo da governadora, ele tem direito a “trabalhar” só meio expediente. Cicrano nem sabe escrever direito, mas temos que aturá-lo recebendo seu salário gordo enquanto finje que tem competência para o cargo de assessor do diretor.

Apesar desses privilégios, a desmotivação - ironicamente - também atinge os ocupantes de cargos comissionados, que não têm qualquer garantia de continuarem no emprego quando o indivíduo que os colocou ali for mandado embora por “forças ocultas”. Não adianta fazer um serviço melhor. Ninguém o reconhecerá por isso quando a hora chegar. É verdade que tal reconhecimento também não atinge os concursados, que – apesar da relativa estabilidade – têm que esperar o tempo – muito tempo - passar para, talvez, ganharem uma mixaria como aumento. Absurdamente, a única “motivação” é não estarem desempregados. Desesperançosos em relação a um crescimento significativo dentro da empresa, muitos pensam seriamente em abandonar o emprego. ”Qual desses políticos tem interesse em aumentar meu salário?”, duvidam. Saindo do cargo, pelo menos terão mais tempo para estudar e, quem sabe, passar num concurso melhor. É um fato inevitável: todos aqueles que ingressam numa entidade pública medíocre já entram com planos para passar num concurso melhor. Logo, as empresas públicas que mantêm salários ridículos verão uma grande rotatividade de seu pessoal, coisa que só piora a situação.

Consequentemente, isso também provoca a ineficiência do trabalho, advinda do desinteresse, do descomprometimento dos ocupantes de cargos com indicação política em relação à instituição, e da já citada desmotivação. De fato, os mecanismos e os critérios políticos que distribuem o poder de indicação dos cargos entre os partidos políticos são uma verdadeira tentação para o indivíduo contemplado, que não precisa ser o melhor exemplo de dedicação para continuar no emprego. Ele sabe que seu futuro no cargo depende menos de sua eficácia no trabalho e mais de suas relações interpessoais com políticos.

Não sou contra a existência de cargos comissionados e de confiança. Eles são essenciais para se ter mais segurança dentro de uma certa função dentro da empresa. Mas só um louco imaginaria que eles são usados de forma ética por nossas autoridades. Descaradamente, os ocupante desses cargos são trocados de acordo com artimanhas oriundas dos altos escalões dos partidos políticos. Alguns partidos chegam a cobrar uma taxa mensal, calculada sobre a remuneração dos “contemplados” com o cargo comissionado. É o dízimo dos partidos, prática comum. “Você vai ganhar um cargo com um bom salário, mas não se esqueça da minha parte”, é o acordo.

Apenas quando a influência da politicagem for pelo menos reduzida, teremos um serviço público decente, ou perto disso. As leis precisam ser alteradas. Novas cláusulas que impeçam isso devem ser adicionadas e cumpridas. É inadmissível que essa realidade corrupta continue. O uso exclusivo do critério da indicação política só prejudica o funcionamento do País. Apenas nossas autoridade podem mudar isso. Mas qual o interesse de um político em alterar essa realidade? Pergunta: além de aumentar seus próprios salários e de conseguir mais votos, quais outros interesses deles? Infelizmente, desconheço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…