Pular para o conteúdo principal

Mais que um carro, uma conquista.

Eu quero viver no mundo da propaganda e da ilusão dos automóveis da televisão. Nesse mundo não há trânsito. Só você e seu carrão na pista. Não há pedestres (malditos seres inferiores) para importunar e atrapalhar seu passeio com sua nova namorada linda. É claro: nesse mundo você tem todas as mulheres que quiser. Quantas você quiser. Você é o cara com personalidade e charme. Elas te adoram. Todos te adoram porque você tem o mais novo carro da Ford ou da Chevrolet, ou da Fiat. Tanto faz. Você conseguiu subir na vida. Antes era apenas mais um coitado que se espremia dentro do ônibus. Um Sr. Zé Ninguém dependente de um serviço de transporte público ridículo. Mas isso já acabou. Agora você tem um carro mais novo que o de seus amigos. É claro que dentro de poucos meses eles vão comprar um melhor que o seu, só para ficarem por cima outra vez. Não se preocupe; depois você compra outro mais novo ainda. Só não esqueça de juntar mais dinheiro para isso. A indústria automobilística agradece.

Esqueça os problemas do mundo. Seu dinheiro não é para a caridade. Os pobres que se danem. Esses vagabundos. Seu tempo e dinheiro só podem ser investidos em coisas de futuro. Afinal, você mostrou para todos que é alguém. É importante agora. Não importa se você, na verdade, pagou metade do valor do carro à vista e dividiu o restante em meros 40 meses. Não importa se você passou fome ou deixou de comprar o que realmente queria, economizando miseravelmente para comprar o veículo. Agora você é o cara. Subiu na vida, hein?! Um verdadeiro conquistador, um vencedor, um grande partido para as mulheres e também um forte candidato a matar ou a ser morto no trânsito brasileiro, cada vez mais intransitável, estressante e perigoso. Vá lá. Ligue pra ela. Agora ela sai com você. Sabe aquela morena maravilhosa que você não tinha coragem de chamar para sair porque ela só andava com caras motorizados? Agora ela pode ser sua. Não importa se ela não gosta de você. Depois que você comprou o Crossfox zero km, ela vai aprender a gostar num instante. Mesmo que você saiba que ela só quer ser vista pela sociedade entrando e saindo de uma Hilux, e mesmo que você seja apenas o motorista da vez, tente esquecer isso. O que vale é a ilusão. O que vale é a aparência. Você pode perguntar: E o amor? Ora, amigo. O amor é relativo. Hoje o amor é isso. O amor é um roteiro de propaganda da Volkswagen. Você é Kiefer Sutherland ao lado de uma linda garota dirigindo o mais novo Citroën C4 sob o som de uma musiquinha agradável.

Andar de bicicleta? Você é maluco? Não há ciclovias. Quer ser atropelado? Ou pior: quer dar uma de pobretão? Isso sim é mais uma coisa para ser esquecida. Esqueça que bicicleta não polui o meio ambiente e ainda faz você economizar uma grana boa com combustível; fora a parte que, pedalando, você faz exercício e fica em forma. Mas nem lembre disso. Mulher não liga se você tem um corpo bonito ou feio. Compre um carro novo e, aí sim, você vai ficar tão bonito quanto o Kiefer Sutherland, que não anda de bicicleta.

Tem mais. Fique tranquilo com relação aos problemas ambientais. Com seu novo EcoSport você pode também aproximar-se da natureza. Vá para o campo. Fuja da cidade e polua o mundo por lá mesmo. Mas tente não lembrar muito disso. Esqueceu-se da ilusão? É ela que importa. Aproxime-se da natureza. Compre um carro. Sei que é difícil acreditar, mas tente.

Comentários

  1. Ei, cara...
    Revoltadinho demais, hein?
    Inté.

    ResponderExcluir
  2. Fazer o quê? Revoltado, mas sem mentiras. É a verdade mesmo. Inté.

    ResponderExcluir
  3. Esse texto eu escrevi depois de ver o vídeo documentário "Sociedade do Automóvel", que fala sobre o domínio do automóvel em nossas vidas. Muito bom o vídeo. Um trecho dele foi postado neste blog em 14 de outubro. Dê uma olhadinha.

    ResponderExcluir
  4. Revoltado...? Ou pensando o que está fora dos padrões da burguesia! Mas que ela própria vem reconhecendo seu erro que na própria capa da Veja (a revista mais maldita do mundo) saiu a bicicleta como uma solução para o nosso mundo!! Não o chame de revoltado mas de DESALIENADO! ;D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Malefícios e benefícios do Carnaval

O carnaval passou. Foi brilhante. Uma festa cheia de sensualidade, alegria e cores, símbolo da identidade brasileira e orgulho nacional. Mas será que o carnaval é benéfico para nosso país? Agora o caro leitor ou leitora deverá estar se perguntando também: será que vale a pena debater eventuais benefícios do carnaval? Afinal, o carnaval é apenas uma festa cujo único objetivo é divertir-se, esquecer por uns dias a realidade injusta, o trabalho difícil, o chefe incompreensível, o pouco dinheiro. De origem milenar, o carnaval nasceu na Grécia para celebrar os deuses da colheita para depois espalhar-se pelo mundo. Ao contrário do que alguns possam pensar, o Brasil, apesar de ser taxado como país do carnaval, não possui, de forma alguma, exclusividade sobre ele. Comparando a origem histórica com a prática atual, percebemos que o motivo da festa mudou. Antes era para celebrar a colheita. Hoje serve como "anestésico social". Portanto, vemos aqui um benefício carnavalesco: esquecer o…

Lei de talião e pena de morte no Brasil

Considero o princípio da lei de talião o mais justo de todos os princípios legais. Ele representa o equilíbrio. Afinal, não seria isso a justiça? É um princípio simples. E a simplicidade é o último grau de sofisticação. Por exemplo, se alguém mata intencionalmente uma pessoa inocente e por motivo banal, esse alguém deve ser morto.
Podemos complicar um pouco. Durante um hipotético (mas não tão hipotético) assalto, policiais e bandidos trocam tiros. Uma pessoa que passava nas proximidades é atingida e morta. Nossa lei preocupa-se em procurar a autoria do tiro que matou o inocente, quando isso é irrelevante a princípio. O que verdadeiramente importa é a autoria da intencionalidade que assumiu e provocou a morte. Não há dúvidas de que os bandidos saíram de casa assumindo a possibilidade de matar. Não os policiais. Logo, percebemos aí a intencionalidade de usar a força por meio da morte de uma alguém, independente de quem viesse a obstruir suas intenções criminosas. Logo, ainda que juridi…

Ciência de verdade ou fé nos cientistas?

No final de um documentário, o físico Stephen Hawking afirmou que a origem do universo pode ser explicada sem a necessidade de um criador e que, por consequência, poderíamos dizer que não existe vida após a morte. Eu admirava o Hawking, mais pela imagem de genialidade que nos é transmitida pela TV, mas depois dessa conclusão ilógica, tive uma decepção, mas foi bom, pois eu pude ver o quanto de fé está impregnada no atual mundo científico.


Após o advento iluminista, os cientistas começaram a adquirir o status de novos sacerdotes. Se antes o que a Igreja dizia era considerado a verdade, hoje, cada vez mais pessoas simplesmente acreditam no que os cientistas dizem, até mesmo em homenzinhos do espaço [1], sem fazer questionamentos. Se antes as verdades eram imutáveis (dogmas religiosos), hoje, algumas crenças com base na ciência alteram-se de uma década para a outra, às vezes num ritmo até mais rápido, como podemos constatar perante descobertas nutricionais. Ovo faz mal? Colesterol faz b…